sábado, 27 de junho de 2015

UMA GOTA DE LÁGRIMA NUM LITRO DE SANGUE


Úmidos os cabelos
Mente descansada
Algumas fotos pela casa.

Gosta de literatura estrangeira
Ousa saber segredos escondidos e descobre
Tatuagens reluzentes nas costas das mãos.
As meias lavadas

Deixam o perfume escorrer pelo quarto
Entrar na sala e sair ela janela.

Lentes de contato que nunca usou
Agendas de contatos que já fez
Girando os passarinhos no móbile ao vento
Restos de bolo debaixo do sofá
Imunados com um Rest in Peace.
Malha furada, cortinas verdes ou
Azuis, não me lembro bem.

Nada pro almoço, nada pro jantar
Um ato e uma rima previsíveis :
Mentes quando me olhas triste.

Levei para casa a televisão
Imaginei se os cds eram todos seus
Troquei as cortinas , que eram mesmo azuis,
Recolhi as fotos espalhadas pela casa
Organizei os esmaltes na bancada

Dei o colar e o armário envernizado
Esperei que detetizassem o apartamento, e fui

Sem chorar mais que uma gota
Ajudar a quem realmente
Necessitava
Garantia de vida e renovo
Um litro de sangue foi doado
E uma gota respingou no chão.

LAS VEGAS



Não pense que, porque nos tocamos
Nos desejamos ardentemente
Fizemos posições do Kama Sutra
Trocamos saliva, carícias e chupões,

Não ache que, porque esquentamos os pés
Suamos todo o nosso corpo até pingar
E enquanto nos beijávamos nossos olhos
Sempre buscavam se encontrar

E nossa respiração era ainda mais ofegante
Não suponha que,porque nos tocando sentíamos
O desejo nascer em nossos genitais
E não controlávamos nossas mãos

Nossos pelos cada vez mais eiriçados
E respingos do nosso prazer úmido nas roupas
Todo aquele jogo de entra e sai
Não deduza que, no prazer depois de saciado

Aquele carinho de boa noite
E aquele beijinho estalado que reafirma
O quanto a transa foi boa
Dormindo abraçados por fim
Não conclua que por isso tudo
Você, de algum modo, me conhece.

FUMO,TRANCAS E DESTROÇOS






Recomeço febril e tenso
Como tudo na vida, do nascimento à morte
Que sorte que tenho nas artimanhas da vida:
Sempre esquecida ou lembrada demais.
Tanto faz , minhas pérolas jogadas aos porcos
Todos os dias, meu coração fervido em banho-maria,
Pois até os porcos sabem se divertir.

Ainda caminho febril e denso
Tudo o que coagula um dia foi sangue vivo
Tudo o que é fumaça já foi um baseado
Ou um careta ou um prensado,
Tangos ou trancas nesse baile disfarçado
Tudo é dor e dança.

Trilho caminho imenso,
Todo aquele abraço, carinhos e beijos
Fantasia de jovens apaixonados
Toda brilhantina e festim
Purpurina e roupa cor de carmim,
Que você saiba por mim: era falso!

quarta-feira, 17 de junho de 2015

OUT OF BOUNDS




E eu que pensei que havia sumido,
Aqui dentro de mim está esse sentimento
Preenchendo meu peito,
Doendo como ferida.

Para quem irá esse amor,
Que sinto em meu peito
Transbordar como fonte cristalina,
Clamando para que alguém beba?

Amor e desejo ainda pulsam em mim,
E nada os farão cessar.
The greatest love of my life is coming.
Out of bounds.

domingo, 10 de maio de 2015

AS ESCULTURAS




Hoje estou em voz,
hoje estou rouca
Preferia não descrever
essa sensação louca.

Paralisada como um bicho acuado
Eu durmo, cansada sempre
Bicho cansado dividido
Entre prisão e livre espaço.

Despida de proteção,
a crueza do meu ser me amedronta,
me apavora quando estou só,
e louca eu morro,
sem ter o que vestir.

PAPÉIS,RECEITAS E BISCOITOS DISSOLVIDOS NO GIN




Ouvimos sussurros na multidão,
Indecisos movimentos denunciam que
o que move nosso corpo é o vento.
Os olhos, ou se fecham por horas
Ou reviram o ambiente umas mil vezes.

É tudo muito estranho, eu imagino
como você deve ter se sentido,
mas eu não posso fazer nada.
Eu imagino um monte de coisas,
mas é imaginação, não é fato.

E agora, eu continuo ou paro?
Está gotejando...
Isso é chuva ou são reticências?
São poças, são pessoas, são a espera.
Cookies, gim, bonequinhos e nada.
Psiu, a multidão ouve os nossos sussurros!
Relaxe, calma e descanse, agora tudo vai bem.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

PRESENTE,PROFESSOR!




Só de tentar riscar o papel,
minha mão cansa,
meu pescoço dói
olhando para baixo.
Tenho mil armas
e nenhuma vontade de usá-las.

Todos os dias,passam por mim
os rostos, e vou esquecendo-os
um por um.
Agora sim são apenas pessoas,
vultos.
Não mais as preocupações
com o mundo.

Sol e lua,a rotina defenestra minha
imaginação.
Bom dia,bom dia,até amanhã,
Boa noite,boa noite,tudo obrigação!
Quantas grandes idéias não estão passando
por mim agora,e eu nem as percebo?

Agora possuo,mas passo como vapor,
como quem é premiado com um
pôr-do-sol lindo ou o nascimento do seu filho,
sendo completamente e absurdamente CEGO.

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Cazuza

Twilight

New Moon

Eclipse

Breaking DowN