domingo, 29 de novembro de 2009

O Brado do Guerreiro


Eu não sou fraco,eu sou um leão.
A minha vida eu saberei construir,
porque tenho saúde,força e vontade.
Eu tenho sangue nas minhas veias,
alma e mente de guerreiro voraz.
Sei lutar pelo que quero,
sei fazer valer os meus princípios
e meus valores.

Dominarei o amanhecer e o anoitecer,
e reinarei sobre os meus dias,
nenhuma hora se passará sem que eu permita;
dos meus momentos desfrutarei,
dos prazeres eu provarei,
serei inteligente para vencer os meus temores
e os meus limites respeitarei.
Serei fiel a quem me for.

O que tenho eu manterei
até o fim da batalha,
porque sou forte,
sou o construtor do meu futuro,
e não serei jamais um oprimido.
Tenho coração de guerreiro,
sei que a maior lição é viver
sem desistir até o fim,
portanto lutarei,
e o meu brado ressoará eternamente.

A Valsa Sangrenta


Até quando vai juntar
pilhas e pilhas de papéis
No seu grito mudo,
morte lenta entre dois anéis.

Dois anéis ligados por um fio de caos
Porém revestidos em fita cor de anil,
Se perdendo e desistindo da vida
Como num sacrifício inútil.

Você se diz esgotada,
e assim mesmo me faz sentir a tua dor,
e eu estou morrendo perto de você,
mas a cena é a mesma,sempre.

Dois anéis ligados pela dor
Fingindo sentir que é amor,
morrendo aos poucos
na velha dança dos noivos,
valsa sangrenta sem fim.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Um Drink pruma Drunk



Fui criar juízo mas não sei o que ele come
Com esse capitalismo seria duro negociar
Pra não pagar tão caro por algo
que eu nem sei manter,
Que não pula,não late
e não vai me lamber quando eu chegar.

A minha família sempre me pergunta
Se um dia vou beber da garrafa do juízo,
Mas o que faria comigo se eu quisesse responder
Que um drink tão careta eu não saberia combinar!

I Love The Molotov


Se essa bomba estourar
Me chamarão de terrorista
Sei que vou me ferrar nessa
Essa notícia é uma bomba...

Que eu não sou nada do que você pensa,
Nunca falei que iria querer casar,
um monte de filhos nesse país é doença
Vamos assistir mais televisão pra variar.

Som alto,sóbria ou não,vira diversão
Galera e festa,mas nem todos os dias
Porque não vou querer ser sempre encontrada,
e se me encher demais o saco vai notar
Que eu sou misantrópica e bipolar.

Daqui a algum tempo eu falo
sobre coisas mais importantes,
nem de longe quero ser uma inútil,
pois até gosto de um projeto social,
(mas logo você vai notar
que eu sou misantrópica e bipolar).

Agora estou nesse lugar
ouvindo sinos...
Se essa bomba estourar
Me chamarão de terrorista,
Sei que vou me ferrar nessa,
essa notícia é uma bomba!

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

SAUDAÇÕES


Muito obrigada a todos que acompanham o meu blog!

Beijos gélidos a todos.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009


Selo - Excellent - Este selo dá, a cada blogueiro, o reconhecimento do seu valor.

"Laysha Vampira que me presenteou!Fiquei honrada e retribuo com o mesmo carinho nesse post. seu blog:http://www.blogger.com/profile/07722393527801347332

Regras:

1- Exibir a imagem e publicar as regras.
2-Colocar no post o nome e o link do blog que lhe presenteou.(início)
3-Por último, indique 15 blogs de amigos que você deseja presentear
com este lindo selo.

Indicados:

.Laysha Vampira
.BeatrizDRL (††Fαℓℓєη Aηgєℓ††)
.CONTOS DE VAMPIROS
."Lady Dark Sovereign"
."Sonho perdido!"
.Adriano Siqueira's Blogs
.MADAME ELIZABETH
.Morceguinha Midnight
.POEMAS GÓTICO
.The Vampire Girl
.Suicide Virgin
.۞۞The Witching World۞۞
.Os 4 Elementos
.DESCAMINHOS SOMBRIOS
.Saturnine Evenfall

terça-feira, 3 de novembro de 2009

A Inpiração Vem dos Becos


Rostos e fivelas,arte viva corre,
Desliza de todas as formas humanas.
Nosso belo mundo onde há lixo e luxo,
Vips e miseráveis,centro e margem.
Nosso mundo e imundo simultâneo.

Tempo de seca,tempo de verdes pastos,
Tempo de vacas obesas e tetas fartas
Para quem tem dim-dim no bolso,
E visões de vacas debilitadas para
Quem já não tinha nada.

Rotas as roupas,quem é vivo corre,
Mendigos e todas as formas humanas.
Oh que belo absurdo,usar os mendigos
Como inspiração de poesias!
Minha poesia retrata e corta como navalha

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Minhas Palavras


Minhas palavras às vezes não têm assunto.
Saltam no vento,
sente-se vazias,
à procura de quem as console.

A busca por algo novo
as lança ao mar,
ao desconhecido,
na esperança de encontrar algo inédito.

Mas eu me canso.
Me canso de me expor ao acaso;
Aí eu fujo...

As palavras embarcam em qualquer pensamento
e perdem-se.
Para um dia(quem duvida?)
renascerem em outro contexto.

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Cazuza

Twilight

New Moon

Eclipse

Breaking DowN