sábado, 8 de agosto de 2009

O SUSSURRO DO DIABO


O Diabo risca o mundo
Ele sai pichando,pintando,marcando
O seu grande nome em tudo.
O Diabo é o Pai do Mundo!

Foi-se a era dos sofismas,
Vem aí a transgressão.

O Diabo em sua luta
Ve abrindo os caminhos
Estraçalhando ossos,
Ceifando vidas,
Cumprindo o seu
ato de Senhor do Mundo.

O Diabo sabe tudo.
Enquanto você se move,
ele sussurra em seu ouvido.

Ele chama bem de leve,
Que é para ver quem vem.
E pinta e risca,e enfeita o mundo...
De repente,quando tudo é deslumbre,
Ele se mostra e nos põe em transe,
Nos dá o mundo,o agora e o futuro.

O Diabo chama.
Quem o acompanha?

A MINHA FILHA É DO CÃO!




Caderinho bonitinho
De capinha enfeitada de florzinha,
Quando ela abre-mas que susto!
Ela descobre a tabelinha!

(oh não não não!)

Uma bolsa da modinha
Enfeitada de menina poderosa,
Quando ela abre ela descobre
A camisinha!
(Meu deus que menina perigosa!)

Num casaquinho bonitinho
Escondida e comportada
A menina sai lá fora,
E o que é que a mãe vê?
A filhinha num pornô lá na tevê!

(oh não não não

A minha filha é do Cão!)

A MATADORA



Quero ser matadora
Matadora de aluguel
Dilacerando corpos
Com o poder das minhas armas.

Serei bem sutil
Ao transpor o covil
Das minhas vítimas.
E em um ou dois golpes traiçoeiros
Vou partí-las ao meio sem dó
E sem muita força na mão.

Um ou dois golpes usarei,
O segundo será por diversão
Sem compaixão e sem perdão
O julgamento faz quem me contratou.

As gotas de sangue cairão
Sem marcar o chão
Tudo na mais perfeita harmonia
Entre as facas e os punhais
Entre o serviço e a diversão
O pagamento e o dever
Entre o mover e o desferir
Golpes na contramão.

MEU PAI É HITLER!


Pai,não me jogue no lago de gelo
Não estenda a sua mão pra me bater
Pai,hoje não me coloque com os outros na câmara de gás
Pai,não me torture mais!

A minha mente já não tá legal
Mein fuhrer de terror nos olhos
Por favor,hoje não me faça mal
Meu pai é Hitler!

Quer criar a raça perfeita
Pai,seu velho idiota,
Não mande os melhores pra guerra.

Ele quer eugenia
Mas vai mandar os melhores pra guerra
Que grande ale-MERDA!

LAVAGEM CEREBRAL


Destruir o padre!Buscar e findar.
Destruir o coro!Não só encarar.
Gritar,não parar de lutar
Perder o controle pode fazer errar
Não tentar fugir:lutar,lutar!

Parar e pensar antes do começo
Mirar novo arremesso e sabotar
Destruir por dentro como câncer
Confundir,difundir,planejar.

Destruir o padre!Buscar e findar.
Destruir o coro!Não só encarar.

Viver é fácil numa ilusão
Enquanto não para de crer
Mas há algo para desvendar
Blasfemar,blasfemar!

MUDANÇAS PSÍQUICAS


Mergulhando num outro submundo
Abismo profundo,seguido de um grito
Eco,sacrifício,sabendo que a entropia virá.
Acordar,sentir que o ódio vai surgir
Atacar aquilo que confronta
Descartar o que não dá poder.

Eu sei que a hora é agora
Perseguir o meu objetivo
Extinguir a febre que te toma
Destruir quem está no poder.

Mergulhando num outro submundo
Abismo do que foi um lugar.
Ecos de seres incontidos
Apontar onde cabe conter
Nós sabemos o nosso dever
Não esperar pra obter vantagem
Persistir enquanto eu viver.

BATHORY A CONDESSA SÁDICA


Bathory,
A condessa comedora de mocinhas
Rodeada por cadáveres
Ela se banha com sangue inocente
Das virgenzinhas de Bratislava.

Quando criança ela vivia atormentada
Por doenças repentinas e temores
Enlouquecida,ela punia suas vítimas
As obrigando a andar nuas sobre a neve.

Bathory,a condessa sádica!
Bathory,a condessa sádica!

Na Eslováquia ela torturava
Reinava com seua atos depravados
Ela matava a sangue frio,
Assassina de mocinhas.

"Meus atos malignos me governam
Minha vontade é matar e estripar!"
Bathory, a condenada
Encarcerada no castelo de Cachtice,
Aprisionada por seus assassinatos,
Ela quer se soltar!

O MOTHERFUCKER


Bala perdida,tiroteio
Eu não aguento mais
Um mundo cheio de incerteza
Onde a segurança não faz.
Eliminar o elemento!
Catar o excremento!

Por que você busca tanto a paz,
Se é algo que não vai encontrar?
Penetrar os covis da esperança,
Resgatar a vida no choro da criança.
Pra quê?Se o coma é bem melhor!
Voltar,do pó ao pó,ou mudar
Saber que o choro nunca vai parar!

Bala predida,tiroteio
Ser queimado até a morte por vocês
Desiguais os direitos de capital
Capitais com direito desigual.
Eliminar o elemento!
Catar o excremento!

Não busque a paz,pois ela não vem
Derreta com ódio mortal
A grade que esconde as questões sociais,
Só é normal chorar sem parar
Se você é um motherfucker perdedor!

NIGHTMARES


Você tem esses sonhos
Nessas sombras,segredos induzidos
Onde a luz não pode penetrar
Caminhos obscuros,eles te encontram
E te levam a um novo lugar.

Pesadelos,visões,passsos pela mata
Sepulturas,tormentos e a carne exposta
Você teme,mas no fundo você gosta
Porque suspeita o que vai encontrar.

Os conflitos tomam sua mente
Confundida pelas apariçoes
Um segundo uma sombra te aborda
E você sabe que vai parar na corda!

Você vai parar na corda
Se não suportar,
Você vai se odiar
Recusar,suicidar,
rastejar nas sombras
Você sabe,cabeças vão rolar!

NATASHA EDO


Natasha Edo escrevendo nas veias
Em seu braço o sangue escorria
Não me mate,sua alma lhe dizia
Mas o manto sagrado estava negro.

Natasha Edo sentada no chão do banheiro
Escrevia palavras que não sabia
Não entendia como o seu sentimento
Penetrava tão fundo sobre a carne.

Natasha Edo,seu nome lhe diz tudo
A navalha e o sangue pelo chão
Ela sorvia o rubro envenenado
Enquanto Algo encobria sua visão.

Natasha Edo,não se complique
Não implore por um pouco de atenção
Natasha Edo,faça sua escolha
Natasha Edo,não vá morrer em vão!

PARASITAS DO PRESIDENTE


Parasitas almejando a luz
Ao sarcófago ele os conduz
Rebanho doente de fome,de guerra,
Capitalismo em mente,alienação.

Parasitas almejando a luz
Conquistando uma nova nação
Perseguir,prender,ao vazio remeter
Os sinais de estruturação.

Morte,miséria,segregação
Injustiça,engano,muita armação
Políticos cagando e os civis comendo
A polícia correndo com medo do ladrão.

Brasileiros almejando a luz
Ao deslize ele nos conduz
À deriva o barco de esqueletos,
Nosso dinheiro virando palacete
Ou sendo usado em viagem de avião.

Filhos da puta comendo caviar
Enquanto os pobres não têm o que comer
No luxo,no carro,eles vão passear
Sorrindo,e os nossos querem sobreviver!

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

O ANIVERSÁRIO DE UM BÊBADO


Hoje é dia de festa
mas minha festa é diferente,
eu reuno os meus amigos:
whisky,cerva e aguardente.
Chamo todos pro balcão
E me vem logo o garçom com um presente:
O abridor.

Em cada soluço eu vejo uma bola de sopro,
E nos tira-gosto os docinhos;
A língua-de-sogra eu dispenso,
Na minha festa eu peço sempre mais dois dedinhos.

A vela é um cigarro,
E o pedaço de bolo é o queijo,
E eu,sendo o aniversariante,
Cada trago é uma amante me dando um beijo.

O penetra é o "raul",mas um fiel companheiro:
Que na manhã de ressaca
Me acompanha até o banheiro.

Parabéns pra mim no boteco,
Que fiz cinquenta anos
E ainda sou um boneco!

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

MADAME ASSASSINA


A senhora se insinua
Nua e crua.
A senhora se intitula
Assassina.
A senhora tem a sina
Bem escura.
A senhora é de menina
Sem frescura.

A despeito da morte,
A despeito de tudo,
A senhora assa sua sina
no sol de Campina.
A senhora que é de sina
ser,no Cine,assassina.

BIPOLARIDADE(acróstico)

Basicamente um transtorno iminente,permanente
Implacável;um misto adstringente de mudanças de humor e
Personalidade que geralmente nos leva a roer as unhas dos pés.
Onus que nos acompanha às beiras do sim e do não,na
Ligeira impressão de que somos duas almas num só ser,ou
Ainda,uma alma partida em cinquenta e nove terminais
Radicalmente eletrizados e prontos para um curto-circuito.
Instantes de ódio,amor,euforia e desânimo batidos e mal
Dosados numa taça de cachaça,açúcar e uma rodela de limão.
Afinal,um brinde com nossas caipirinhas brasileiras,agora
Dosadas e pateteadas,e um espirro natalino às vésperas e
Entradas da festa de fogos e mudanças radicais.

CATALÉPTICO(acróstico)




Carcaça imóvel enrigecida e fúnebre
Arsenal de impossibilidades de locomoção e
Tentativas frustradas de atividade.Carne que envolve músculos e ossos
Acidentalmente parada e estática.
Louca estátua viva,pacata e inativa,assente e inalterável.
Extremamente rijos os músculos,membranas e alma
Pobre ser vivo incapaz de ser catalizado,ainda que
Transpassado por uma catana.
Inconscientente reprimido em seu consciente,
Cadáver ou não,necessita com urgência das ações,
Objetivando positivamente uma catarse.

SEPULTURA(acróstico)


Secreto refúgio das almas.
Esquálidos esqueletos retorcidos pelo peso da terra
Posta sobre a madeira póstuma dos caixões;
Unicamente feita para receber e acomodar confortavelmente o
Lixo e resíduo fétido e purulento chamado corpo humano:
Traste em decomposição junto à baratas e cachorros d'água,
Unidos numa só matéria fibrosa e pastosa;posteriormente
Reduzindo-se à mais nobre atividade de um mortal:
Alimentar a flora,manter vivo o ciclo da vida.

O POEMA QUE NÃO EXPLODIU



Hoje fui fazer um poema,
e ele me disse bem baixinho
que eu deveria
fazê-lo bonito esimples,
e que dentro dele
eu pusesse um barulhinho inquietante,
que era para deixar o leitor assustado.

Mas que eu disfarçasse,
a fim de fazer o poema passar
como um relógio,
dentro de um malote.

Assim,desapercebido passou
o meu poema,
e não explodiu no aeroporto de Los Angeles.

RUA DA MORTE


No vazio e no escuro da rua
Uma vida é subtraída friamente
Anteriormente positiva,era uma vida.
Uma ferida foi feita nessa vida
E o sangue escorria,sangue e vida.

No vazio e no escuro da rua
Estilhaços e carcaça em carne crua
Débil fraca e suja pelo asfalto,ato torpe,
Na vazia e escura Rua da Morte.

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Cazuza

Twilight

New Moon

Eclipse

Breaking DowN