domingo, 19 de julho de 2009

CONVITE AO CEMITÉRIO(Ou Lamento Morto)


Fria e pálida ronda o cemitério,
e chora,e chora,desgostosa,
O seu viúvo já esquenta a cama,
E ela morna ainda na tumba.
Se arrasta a alma chprosa,
sozinha defronte à casa.
Relembra o amor antigo,
O quente lascivo que unia
o casal em noites como essa.

Saudades!Saudades!,entoa a defunta;
Saudades...-que me beije o meu viúvo!
E assim vai passando entre os epitáfios
Onde lê Clara,Joseph,Joane...todos os nomes...
Mas não sossega:-Não tenho aqui comigo o mei viúvo!
E ele hoje deitase com outra!Seu corpo meu,tão meu,
hoje se encosta noutro seio;e como ronca!,e ronca hoje
em ouvidos alheios!

E eu aqui,pobre defunta,fria e pálida,
Uma rosa murcha sob um gélido epitáfio.
Pobre de mim!Antes tão rica de fogo e beijos,
-quão abastada eu era!-e hoje só me restam os fogos-fátuos.
Eu era amante-e hoje assim,tão fria!
Pálida efria sob a lousa.E nem chorar posso,
sem lágrimas averter,e sem o consolo do meu viúvo.

Saudades de ouvir sua voz,falta do vinho que juntos bebíamos!
E em pensar que hoje ele bebe com outra...e eu aqui seca,
branca e esquálida,em nada lembro o vinho quente,doce e rubro,
o vinho encorpado que sorvíamos nos áureos tempos.
Só estou,neste lugar semi-etéreo,
Cemitério,meu lar derradeiro;
Pálida e fria,como esse vento que sopra e ressoa a minha lamúria
e a vai levar à janela do ninho de amor do meu viúvo.
"Saudades,meu bem!Vem para o cemitério,vem!

sexta-feira, 17 de julho de 2009

A MIDNIGHT DATE


É meia-noite,hora do lanche para os vampiros.
A terra se revolve;sobem os mortos-vivos
de suas moradas subterrâneas para saciarem sua sede.

O sangue,a delícia rubra e morna que os acrescenta vida,
descendo em suas gargantas gélidas,na penumbra da noite,
na morada dos demônios.
O sangue é o licor e o vinho tinto,pingando no assoalho do meu quarto,
grosso e pegajoso,formando um fio que escorre do meu pescoço e dos caninos do vampiro Nabilac.

Não há estacas,não há água-benta ou cruzes em meu lar ateu;
há apenas a morte e eu,junto ao nosferatu que revive à minha custa.
Não há sayers,não há ajuda de parte alguma,há apenas a Morte e o Vampiro que drena hoje o meu sangue.

Estou fraca;ele aperta com força o meu pescoço,
como se quisesse estancar uma hemorragia;
me põe em seus braços e me leva entre a penumbra da noite.
Chegamos a uma cripta,num cemitério;estava a pouco desacordada.
Ele me deita sob um leito frio e me olha fixamente.
Estou pálida,quase morrendo.
Com sua unha ele faz um corte em seu pulso e me dá de beber o seu sangue.

Agora é manhã cedo,abro meus olhos...aí está ele,imóvel em minha frente.
Me sinto forte,sadia e faminta.Em todo o meu corpo corre um fluido poderoso
que me faz querer dançar sem parar mais.
É a vida que está de volta,com outra filosofia;não sou mais aquela garota assustada,
fui transformada em algo distante e difere da natureza humana e mortal,
Ganhei a imortalidade e hoje sou Vampira.

O Segredo de Draculea-A Condessa de Bathory (Final)



Os três estão no centro da cidade,à noite.
Kate e Leslie lutam contra uma caça-vampiros,-para os dois não é tão difícil matar slayers,algo neles os faz mais fortes que os outros vampiros...deve ser a evolução.
A condessa espera o fim da luta,sentada numa lata de lixo. (Só ela não sabe que se trata de uma lata de lixo.)

Leslie:OK,fim de turno.
Erzsebet(surpresa):Oh!"Tempora mutantur".*
Leslie:Mas,e então-muitas histórias sobre Draculea?Fale mais sobre os seus "delírios",é natural quando se mora num lugar daqueles...
Kate: A bela Transilvânia!Já estive por lá...-mas eu não sou tão velha assim!Leslie:Você morou em Ecsed quando pequena,conte-nos sobre o conde Vlad Tepes.
( *Os tempos mudam.)
A conversa deixa Erzsebet nervosa,parece fazê-la lembrar-se de algo.

Erzsebet:Eu gostaria muito de ficar mais um tempo,mas tenho compromissos. Com licença.

Kate pula em sua frente,suspeitando tratar-se do livro de encantamentos.Ela mostra a face de vampira.

Kate:Ooh!Não tão rápido.O que há?
Leslie:Onde está o Livro?
Erzsebet se volta e é empurrada contra um túmulo pelo vampiro.

Erzsebet,aflita: Eu não estou com ele,Nabilac o tomou! Me largue,vamos!
Kate:Não vem com essa,Elise...

A condessa tenta soltar-se de Leslie,porém seus esforços são inúteis.Ela pensa no livro,mas Kate a esmurra na barriga e o Livro cai de sua boca,tornando-se visível. Leslie a solta e apanha o livro;uma página se acende quando ele o toca.Nela está escrito "Ressurreição".
Leslie não entende para que esta página lhe serviria,e Kate mira uma estaca contra a condessa.

Kate:O que tinha em mente?"Die" and Tell.
Leslie a corrige:Ao contrário,querida.-Péssima analogia para Show and Tell.
Erzsebet:Tenho uma missão a cumprir,Draculea deseja que eu volte no tempo.Eu não posso impedir que sua esposa se atire no mar,mas no Livro há um feitiço de ressurreição que dura cinco minutos,tempo suficiente.
Leslie: Suficiente para quê?
Erzsebet:Para que Draculea a transforme em vampira.
Kate:Impressionante isso.
Leslie:Mas,por que o livro se acendeu para mim?

Erzsebet parece não ouvir o que Leslie diz:
-Preciso ir.Esse Novo Mestre-foi ele quem misturou o tempo,não fui eu...Ainda há o que fazer antes que isso tudo desapareça...antes do-

O Livro de Tatsel salta nas mãos de Kate e uma página se acende.Kate começa a ler,impulsionada por uma força desconhecida;seus olhos injetados têm um brilho intenso.As suas mãos começam a queimar enquanto ela diz as palavras.Erzsebet grita e some numa nuvem de pó.Leslie observa tudo e Kate torna a si.

Kate: O que houve,Les?Minhas mãos estão queimando.
Leslie:Solte o Livro!

O Livro de Tatsel cai no chão e se fecha;Leslie abraça Kate e ficam parados.Do alto,uma voz trovejosa anuncia:

-AINDA NÃO TERMINOU.

Essa é a voz de Draculea.

ALF

O SEGREDO DE DRACULEA-A CONDESSA BATHORY (PARTE 1)



É noite na cripta onde dormem os vampiros Kate e Leslie.Ambos estão bêbados,caídos sobre uma lona,gatos miam dentro de um cesto preto:a cena aparenta a velha briga antes de uma noite de amor.
Surge um barulho de ventania,e uma linda e misteriosa mulher tomba num tapete do lugar.Essa é Erzsébet...

Erzsebet:Não era bem aqui que eu queria chegar...

**

Na manhã seguinte,o casal de vampiros acorda-e parecem bem dispostos,sem ressaca!-Surge Erzsebet detrás do túmulo em forma de piramide.

Erzsebet:E então...não vão preparar o café da manhã?
Kate(assustada e meio confusa)Quem é você,mana?-vira-se para Leslie-Bebi demais,luv?
Leslie:Não,querida,eu também a vejo.-Leslie dirige-se à condessa,- Condessa de Bathory,passeando?
Ersebet:No tempo,eu presumo.
Leslie:Como veio parar aqui?
Kate:Quem é essa Bath?
Leslie:Já li muito sobre ela.Foi uma condessa húngara muito cruel,acusada de 650 assassinatos de moças em Vishine,Bratislava.
Kate:Eslováquia!Uma jóia da Eslováquia!
Erzsebet:Sim,eu sou a vúva Nadasdy.Chamem-me A Torturadora.

Ela senta-se,imponente,de certo esperando que alguém lhe beije a mão.
Mas ninguém se move,então ela mostra-lhes a face de vampira.

Kate(surpresa):Uma vampira!Certo,mas não há gatos o suficiente.

A condessa a olha,enojada.Sua dieta de sangue não permitia gatos,mas vacas e cabras.Kate retruca:
Kate:Não vai dizer que é vegetariana?Ótimo!Menos um para o jantar!
Leslie(contrariado):Kate,luv,mantenha-se no tema.
Kate:Oh,certo!Fechar as cortinas,já é dia!
Leslie para a condessa:Ela passou da conta...Mas e isso de vampira,é cortesia do seu lugar?Até onde eu sei,você estava encarcerada no castelo de Catchice,sem portas,sem janelas...não há como convidar vampiros.
Erzsebet:Bem,havia uma parede diferente das outras.Eu estava desesperada,quebrando tudo com um machado,e feri essa parede.Era oca,e eu a espatifei.Dentro dela encontrei um livro de encantamentos e procurei um que me tirasse dali,quando uma página mostrou um brilho intenso;as palavras reluziamcomo o sol. E eu as li;sem saber invoquei um espírito,que aparaceu em minha frente.Eu o abracei,implorando para que me libertasse,mas ele me segurou e...sua face era horrenda!
Kate interompe:São os pelos no nariz!Isso acaba com qualquer homem.
Erzsebet:Isso foi em 1614-
Kate:Está explicado:No peeling!
Erzsebet:No dia seguinte,21 de agosto,uma velha sussurrou em meu ouvido;eu estava deitada em minha cama,e ela dizia a todos na cidade que eu havia morrido.
Leslie:Quem era o Vampiro?
Erzsebet,cansada:Chamava-se Nabilac...(pausa)Preciso repousar agora,antes de voltar...
(ela pefala para si)Estou certa de que não usei o feitiço do tempo;não sei o que houve.


Algumas horas mais tarde...

Kate:Leslie,ela deve estar com este livro.Temos que encontrá-lo!
Leslie:Não está com ela,eu não vi.

Os dois não sabiam que o Livro de Tatsel ficava escondido na boca da condessa,invisível por um feitiço.

Erzsebet acorda.

Erzsebet:Um banquete!Estou faminta.Preciso de vacas!
Kate:Vacas?Leite não é bem o que eu chamo de alimen-
Leslie a interrompe,buscando ser direto:Condessa,continue a história!

Kate põe sangue felino numa taça oferece a condessa,que bebe pensando ser sangue bovino.(O gosto é o mesmo,a não ser,é claro,a presença de...PELOS!)

Erzsebet:Eu tinha esses sonhos:todas as noites esse demônio e eu fazíamos amor,e era tão real que chegava a ser um insulto aos bons costumes.

Leslie sorri.
Kate deduz:Um "incubus"!,um demônio na forma de homem que tem relações sexuais com as mulheres em seus sonhos.
Erzsebet:Ele sussurrava em meu ouvido,me dizia coisas que estavam para acontecer,falava do futuro como se já fizesse parte do passado. Ele me falava de Vlad.

Leslie:O Draculea?
Erzsebet:Sim.Vlad Tepes me espera...há muito o que fazer .
Kate:O Empalador.Suas vítimas viravam espetinhos nas batalhas que travava,e sua comida era regada com o sangue delas.
Erzsebet(entediada):Ah...
Leslie:Kate,onde foi mesmo que vimos aquelas vacas?

Erzsbet se anima.Os três saem para comer.
No céu,as nuvens parecem formar dois grandes olhos negros.


(continua)

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Cazuza

Twilight

New Moon

Eclipse

Breaking DowN