quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Codinome Cazuza


Muito prazer,me chamo Cazuza
Seja bem vindo à minha trova noturna,
Bem vindos amigos,beijem-se todos
Lavem os pés um do outro,
pois somos iguais.
Veja quem eu sou,deixe que eu diga
Sou cazuza em tudo o que faço,
Sempre tive aquele incômodo
de ser mudo,de ficar careta,burguês,
De ser feito de tolo entre tantos espertos.

Sou feito de gente,sou tua carne exposta
Sou teu cheiro,teu gosto,o teu tesão,
Mas não sou objeto,não te pertenço
Sou ao exagero um tanto propenso,
A virar a taça,a cabeça e a garrafa.
Sou a lomba,sou aquilo que te prende
E te liberta da lavagem cerebral que te fizeram
Que te impuseram a acreditar em tanta bobagem.
Seja bem comido,alimente-se e durma,
Faça parte de seu próprio mundo,
Não se exclua,não hiberne:
Cazuze! Cazuze!

Não tenho nome,eu sou você
Sou mulher,sou homem
Eu sou o que você come
Sou o que sempre quis fazer;
Sou o que você faz quando decide ser,
e não só seguir sem nunca ver a direção.
Deixe que você me veja no teu espelho
Nos teus olhos bem abertos,no teu corpo nu.
Somos lindos pois estamos vivos
E somos nossos próprios gurus.
Chame-me de louco,pois não tenho nome,
No meu exagero tenho apenas um codinome,
E é Cazuza!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Aos Jovens


Olhem para a vida com olhos curiosos
Não evitem pensar sobre tudo,
Antes busquem entender.
Façam algo proveitoso,
Aprendam a ler de verdade,
e não só por obrigação.
Olhem novamente para a vida
Com olhos de adulto,
e façam acontecer tudo o que quiserem
Contribuindo para o bem de todos.
Não deem tanta atenção à opiniões,
mas saibam ouvir bons conselhos.

Hoje em dia qualquer coisa é música,
Não aceitem esse conceito,
descubram a beleza da letra
nas músicas certas,
e não somente o ritmo dançante.
Criem suas canções!
Quando vocês aprenderem
a pensar e a viver por si mesmos,
a vida terá um significado.

Cotidiano


Na sua rua um bêbado
Nas nossas ruas,chuva
Na sua calçada um mendigo
Em nossas calçadas,buracos.

Na sua chuva esperança
Em nossas chuvas,espera;
Na sua pista asfalto
Nas nossas pistas,crianças já
nem tão ingênuas.
Na minha face tristeza,
Na sua face espanto.

Ao Pé do Mangue



Como falar de algo que não se conhece,
falando só de ver,só de observar?
Enfim,aqui vai a minha observância:

No mangue,pedaços vivos de gente,
(pois só se veem os braços.
As costas e as pernas estão cobertas pelo barro.)
Colhe-se vida,colhe-se alimento,
Os aratus e o que mais der pra pegar.
Correm os goiamuns,taca-se o jereré na lama
Cava-se fundo e puxa.
Lá vem uma onda de siris ensopados e sujos.

Pelo que vi,hoje tem também camarão pra se vender.

Dá-me Mais Um Sarau!


Dá-me mais um sarau,ó vida
Pra que eu possa recitar minhas poesias
nesse mundo tão meu
que simplesmente eu não conhecia.
Dá-me mais um sarau,
um violão e um grupo de ouvintes atentos
mesmo que seja só desculpa pra beber!

Dá-me um cigarro também
e canetas,e mais papel
para que eu os mostre a minha poesia,
que tem tudo a ver com todos
e é da mesma medida que a vida
que levamos.
Dá-me mais um sarau que eu falo,
eu berro e cuspo na cara de cada um
a minha verdadeira saliva.

Que a vida tenha dó de mim
e me apronte mais um destes,
Pela falta de um deus,dá-me mais um sarau!

Canibal de Poesia



Vivo de devorar poesias alheias,
Devoro todas as que encontro e admiro,
Lendo-as atentamente e escrevendo-as
Em meus cadernos.
Assim,tendo-as no papel e na memória,
Fortifico-me a devorar a sua essência.

E como canibal creio receber o poder
E a sabedoria de minhas vítimas.
Do meu canibalismo é que saem
As minhas mais belas poesias.

Tudo Americanized


Essa mania americana
Tá pegando no Brasil
Todo mundo tá falando
Que churrasco agora é grill.
Todo mundo tá assando
suas tripinhas na grelha,
temperando com o dólar
Que dá o gosto na panela.

Com essa tal globalização
Dizem quer o mundo tá unificado,
Mas o que rola é que o Inglês
É o idioma mais falado.

Câmera de pc é web-cam
Um lanchinho é fast-food
Comer fora só no self-service
Sanduíche é cheese-burger
Cachorrão é o hot dog;
O que é da moda é fashion
Carinha feliz é emoticon
Macarrão agora é nuddles
Despedida é bye-bye.

Churrasqueira já é grill
Festa privada é insight
Comida pra gordo é light
E pipoca é popcorn
Já tem até mini chicken
Pra comer com orange juice!
Está tudo americanizando
E,de tanto americanizar,
Até a nossa Amazônia
Eles já estão chamando de lar.

O Meu Último Desejo



A luz me cega,o choro me vem
Eu nego esconder alguém dentro de mim.
Sou vazio dentro de um táxi cheio
Sou vazio num táxi para as nuvens,
Sinto um arrepio na espinha.
A vida me deu um último desejo,
-vida mesquinha!por isso eu não desejo a minha!

A vida me deu um último desejo:
de ser um passarinho.
E eu voaria bem alto no céu
E pousaria tão leve no chão...
Mas atirariam em mim,
Me fariam perseguição
e eu seria o último exemplar
de uma ave em extinção.

A vida me deu um último desejo:
De ser um peixe dourado;
e eu nadaria contra a corrente
e mergulharia até o sol nascente...
Mas eu seria comida de gente
e eu morreria na poluição
(ou num arpão!)
e eu não poderia viver
em rio algum.

O mundo é mesmo cruel,
e eu sou pessimista com os seres
humanos,pois fazem seua planos
pondo sempre em risco a natureza.
E por isso,eu já não desejo o
meu último desejo,não!

Os Argonautas


A via-láctea me chama
Cada recado é deixado à uma nação
Todos os povos sabendo:não há recurso
Que permita ao homem viver pra sempre
noutro planeta...
mas mesmo assim vamos tentar.

Quando a Terra der seu último suspiro
Vai ter gente morando bem longe,
Vai ter gente pensando em comer pipoca
Na primeira fila do cinema,
E o filme é o fim do mundo.
Mas o milho não existe mais,
O que existe é o cosmo,
somos cosmopolitas e argonautas
Não precisamos dormir para sonhar.

Vou pedir lazanha no jantar
Vou respirar outro tipo de ar
Não liga o fósforo agora
que o gás vai escapar.
Vamos torcer por outro Big Bang
E vamos proliferar,
só que dessa vez vamos evoluir
de uma massinha de modelar!

Me Digam Me Provem Me Tenham



Viver por uma causa
Inda que a calça não sirva,
Folgada ou apertada
-isso nunca!
Isso tudo é muito bonito
A garra,a força,a vontade de mudar
Mas,ainda assim,se estiver errada
a causa não irá calçar.

Estudar,pesquisar
e não só se engajar,
examinar se é calça mesmo
ou se somente quer causar.
Se for causa boa,decente
Haverá um grito a mais
No seu grupo militante,
Se não for um mal pensante
Se não for um som a mais.

Viver por uma causa
Se a causa é justa,
Me gusta essa causa
e calça nos meus pés que buscam
Caminho de protesto e força
E luta revolucionária!

Balada do Beija-Flor


Mordendo com força a tampa da caneta
Sempre quis viver tanto
Sem saber
Que a morte é suculenta.

Eu mudo cada vez que escrevo
E quando canto eu vivo melhor
Sou um passarinho,o seu beija-flor
Te encho de carícias no meu quarto.

Eu vou morrer com gosto
de Cazuza na boca
Eu vou morrer com gosto de Cazuza
Porque ele é o único cara que me faz querer
viver.

Eu curto e me divirto
Eu mostro o que tenho pra dar
Eu grito,faço escândalo
Pra você não deixar de me notar.

Está mais do que na hora
de você acordar
E me acompanhar nessa dança
Notar que eu não sou você
nem sou mais sua criança.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Diga SIM ao Seu Petróleo



O ferro,o manganês,o ouro e o nióbio
Tomaram pra vocês,nos deixando o opóbrio,
Nas não vão repetir,pois é nosso o pré-sal
Vão ter que engolir:Petrobrás estatal!
Nós vamos agir em mobilização
E vamos exigir o controle nacional
Nosso país é rico,é rica a nação
E o petróleo é nosso,reestatização!

Queremos o Brasil livre da exploração
Todo esse poderio das multinacionais
Movimento popular pra não deixar em paz
Não vamos engordar seu monopólio capital.
Ó lá os EUA de olho no petróleo!
Escola,hospital,emprego,moradia
O pré-sal poderia trazer pro nosso povo
Mas com EUA de olho terá leilão de novo.

O povo quer CPI no leilão da Nova I *
Assalto ao patrimônio,o país está ciente,
Não a privatização,eu quero é revogação
Reestatização,Brasil auto-suficiente!

(Diga sim ao SEU petróleo,
pela revogação da Lei 9.478/97)

*Nova Iorque (New York)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Maldito Dinheiro



Maldito seja o dinheiro
por ser tão "bendito"!
Precisamos para tudo
ter antes o dinheiro.
O nosso benfeitor e
maior trapaceiro,
pois dele precisamos
e ele nos escraviza.

Se comida-dinheiro;
se bebida-dinheiro;
se saúde-dinheiro;
se dinheiro-dinheiro!

Antes da noção de mundo
lá bem escondido,
já estava sendo inventado
para nossa mendicância,
cegueira e prostração:
o dinheiro e a falta dele.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Eu Quero é IR!



Já arrumei as malas,
eu vou viajar,
rola bronca lá em casa
mas não quero blá blá blá.

Eu quero ir pra bem longe
aproveitar a paisagem
Conhecer novas pessoas
Desbravar novos lugares.

Porque só tevê não rola
De casa pra escola,
Da pracinha pra casa
Quem vive assim enrola
E aí a vida acaba.

Não dá pra viver sentado no sofá
Sempre ouvindo grandes discussões
Se sentindo inútil como viúva de luto
O meu sonho é conhecer quase todas as nações!

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Jingle Bell,ou Boom Papai-Noel!

Hoje me disseram da chegada do coroa
O velho capitalista,o velho papai-noel,
Mas aqui ele não vem,pois não tenho chaminé,
Minha meia tá furada e eu como de colher!
Aos ricos ele vai contemplar,
aos pobres,só a uns cinco ou seis,
e assim mesmo pra deixar de espernear.
-Me desculpe,mas o rico tem a vez!

Todos sentarão no colo do velhinho
e a foto sairá bonita,
o sorriso da criança será visto na propaganda.
E só na noite de natal é que virá a real,
prato vazio nem presente:lágrimas no travesseiro.
(Por que será que eu não tenho dinheiro?)

Sabe,eu até costumava crer que enquanto eu dormia
Algo mágico se fazia num trenó visto no céu,
Mas aí a vida me mostrou que bom mesmo
é a mão vazia
que no cafuné me acaricia,
e não promete um mundo Jingle-Bell.

Esse mesmo mito de natal
que te faz trabalhar o ano inteiro
pra comprar ao menos um único brinquedo,
pro teu filho não ser tão excluído,
já que tudo pro pobre é proibido
e que o coroa só virá ao rico;
esse mito de magia e amor
que transforma afeto em objeto
que faz correria e brigas nas prateleiras
que desperta a competição
e não passa de esbanjação.
Que machuca o sonho da criança
que,desiludida,perde as esperanças
e crescendo vê que tudo é capital,

Esse Bom Coroa do natal
é um fantoche para a burguesia
que na barba,casaco e ho-ho-ho
te diz:finjam que o mundo melhorou,
fechem os olhos cantando a canção
pra sair bonito no outdoor
já que aumentaremos os preços
e pintaremos uma fachada azul
com a ordem da imagem fictícia:
Merry christmas,tudo pleno nesse dia!

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Como a Vida Deve Ser


É isso mesmo?É a vida assim?
É como se eu já estivesse bem e
somente eu não percebesse.
Tenho então que me acostumar,é isso?
Ver se a nova poltrona serve e relaxar?

É só isso mesmo?
Como a vida deve ser...
Uns poem a felicidade como alvo.
Mas...

Devemos fazer seu sentido então.
...
...
É como se eu já estivesse lá
e somente eu não percebesse isso.


(Agora eu tenho que ligar o rádio
e ir tomar banho...feliz,talvez.)

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Procurando Trampo


Já tive dias de não fazer nada
Já tive dias de nada pra ver,
Eu inventava até que trabalhava
Mas é que eu vivia a tarde inteira na tevê.

Não é que eu fosse irresponsável,
mas é que faltava orientação
Adolescentes perdem muito tempo
Numa vidinha só de diversão.

Nada pra fazer,lá vamos nós pro computador,
Fiz um novo mp3,vamos ouvir um som,
Pede a alguém pra comprar o pão
que hoje tem filme inédito na televisão.

Não tenho emprego,até já fui atrás,
Mas é bom que nem me chamem
Pra não atrapalhar no estudo do vestibular.

Assim é muito fácil:não trabalhar
Não ajudar a gente a sobreviver
Tá na hora de fazer tudo mudar
Parar de viajar,poupar grana
e começar a render.

domingo, 29 de novembro de 2009

O Brado do Guerreiro


Eu não sou fraco,eu sou um leão.
A minha vida eu saberei construir,
porque tenho saúde,força e vontade.
Eu tenho sangue nas minhas veias,
alma e mente de guerreiro voraz.
Sei lutar pelo que quero,
sei fazer valer os meus princípios
e meus valores.

Dominarei o amanhecer e o anoitecer,
e reinarei sobre os meus dias,
nenhuma hora se passará sem que eu permita;
dos meus momentos desfrutarei,
dos prazeres eu provarei,
serei inteligente para vencer os meus temores
e os meus limites respeitarei.
Serei fiel a quem me for.

O que tenho eu manterei
até o fim da batalha,
porque sou forte,
sou o construtor do meu futuro,
e não serei jamais um oprimido.
Tenho coração de guerreiro,
sei que a maior lição é viver
sem desistir até o fim,
portanto lutarei,
e o meu brado ressoará eternamente.

A Valsa Sangrenta


Até quando vai juntar
pilhas e pilhas de papéis
No seu grito mudo,
morte lenta entre dois anéis.

Dois anéis ligados por um fio de caos
Porém revestidos em fita cor de anil,
Se perdendo e desistindo da vida
Como num sacrifício inútil.

Você se diz esgotada,
e assim mesmo me faz sentir a tua dor,
e eu estou morrendo perto de você,
mas a cena é a mesma,sempre.

Dois anéis ligados pela dor
Fingindo sentir que é amor,
morrendo aos poucos
na velha dança dos noivos,
valsa sangrenta sem fim.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Um Drink pruma Drunk



Fui criar juízo mas não sei o que ele come
Com esse capitalismo seria duro negociar
Pra não pagar tão caro por algo
que eu nem sei manter,
Que não pula,não late
e não vai me lamber quando eu chegar.

A minha família sempre me pergunta
Se um dia vou beber da garrafa do juízo,
Mas o que faria comigo se eu quisesse responder
Que um drink tão careta eu não saberia combinar!

I Love The Molotov


Se essa bomba estourar
Me chamarão de terrorista
Sei que vou me ferrar nessa
Essa notícia é uma bomba...

Que eu não sou nada do que você pensa,
Nunca falei que iria querer casar,
um monte de filhos nesse país é doença
Vamos assistir mais televisão pra variar.

Som alto,sóbria ou não,vira diversão
Galera e festa,mas nem todos os dias
Porque não vou querer ser sempre encontrada,
e se me encher demais o saco vai notar
Que eu sou misantrópica e bipolar.

Daqui a algum tempo eu falo
sobre coisas mais importantes,
nem de longe quero ser uma inútil,
pois até gosto de um projeto social,
(mas logo você vai notar
que eu sou misantrópica e bipolar).

Agora estou nesse lugar
ouvindo sinos...
Se essa bomba estourar
Me chamarão de terrorista,
Sei que vou me ferrar nessa,
essa notícia é uma bomba!

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

SAUDAÇÕES


Muito obrigada a todos que acompanham o meu blog!

Beijos gélidos a todos.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009


Selo - Excellent - Este selo dá, a cada blogueiro, o reconhecimento do seu valor.

"Laysha Vampira que me presenteou!Fiquei honrada e retribuo com o mesmo carinho nesse post. seu blog:http://www.blogger.com/profile/07722393527801347332

Regras:

1- Exibir a imagem e publicar as regras.
2-Colocar no post o nome e o link do blog que lhe presenteou.(início)
3-Por último, indique 15 blogs de amigos que você deseja presentear
com este lindo selo.

Indicados:

.Laysha Vampira
.BeatrizDRL (††Fαℓℓєη Aηgєℓ††)
.CONTOS DE VAMPIROS
."Lady Dark Sovereign"
."Sonho perdido!"
.Adriano Siqueira's Blogs
.MADAME ELIZABETH
.Morceguinha Midnight
.POEMAS GÓTICO
.The Vampire Girl
.Suicide Virgin
.۞۞The Witching World۞۞
.Os 4 Elementos
.DESCAMINHOS SOMBRIOS
.Saturnine Evenfall

terça-feira, 3 de novembro de 2009

A Inpiração Vem dos Becos


Rostos e fivelas,arte viva corre,
Desliza de todas as formas humanas.
Nosso belo mundo onde há lixo e luxo,
Vips e miseráveis,centro e margem.
Nosso mundo e imundo simultâneo.

Tempo de seca,tempo de verdes pastos,
Tempo de vacas obesas e tetas fartas
Para quem tem dim-dim no bolso,
E visões de vacas debilitadas para
Quem já não tinha nada.

Rotas as roupas,quem é vivo corre,
Mendigos e todas as formas humanas.
Oh que belo absurdo,usar os mendigos
Como inspiração de poesias!
Minha poesia retrata e corta como navalha

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Minhas Palavras


Minhas palavras às vezes não têm assunto.
Saltam no vento,
sente-se vazias,
à procura de quem as console.

A busca por algo novo
as lança ao mar,
ao desconhecido,
na esperança de encontrar algo inédito.

Mas eu me canso.
Me canso de me expor ao acaso;
Aí eu fujo...

As palavras embarcam em qualquer pensamento
e perdem-se.
Para um dia(quem duvida?)
renascerem em outro contexto.

sábado, 31 de outubro de 2009

Joe Couch Potato


Joe Couch Potato
Não tinha culpa de ser um zé-ninguém,
Estava desempregado e sem um bem,
Sem calças e sem sapato.

Joe Couch Potato
Não sabia o que era viver,
A vida dele era catar no lixo o que comer
E no lixo só se via rato!

Mas ele não tinha culpa de ser pobre,
Pois seu país capitalista o oprimia
E sua vida sem querer era vadia
Perto da de um burguês esnobe.

Joe Couch Potato
Até tentava melhorar,trabalhar,estudar,
Mas ele era negro,e negro sabem discriminar!
O chamavam de seboso preto.

Quando ele morreu em dor infame
Os homens o atiraram numa vala suja
E esqueceram dele,e não sabiam seu nome.

A famosa Ordem e Progresso
o Joe não conheceu,
Conhecia só o descaso,a opressão, a fome,
E a sua triste cara de pobre e preto
que lhe refletiu no carro que o atropelou.

Eu era o Joe Couch Potato!

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Explicação de Porque Que Eu não Explico


Um dia me perguntaram o que gosto de ouvir
Por que sou assim e porque faço tudo diferente
Esse jeito que é só meu,tô nem aí pra te imitar
E essa atitude foda de querer me expressar.
Minha letra diferente,coisas que eu não vou me preocupar
Atitude irreverente e o meu jeito de andar,
O que eu passo no cabelo ou o que deixo de pensar
Tudo o que eu sei que não precisaria explicar...

(E eu digo...)

Eles me perguntariam por que é que eu fiz isso
E eu diria sem pensar que porque sim
Aí fica o mistério de eu não me denunciar
que não seria o mesmo se eu fosse desvendar.

Uma coisa é mais bonita se é mistério pra você
Uma mulher é mais charmosa se tem brilho no olhar
O mistério do universo e de todas as questões
É que faz tudo isso ser sempre mais encantador.
É como a filosofia e as coisas do amor
É como o socialismo,o corpo humano e suas funções
Tudo que cê quer saber e ninguém sabe a resposta
Não teria o fascínio se pudesse desvendar.

140 Km/h



Conto as horas pra sair
Desse leve desespero,
Já nem tento me iludir
Vou correndo pela estrada
A cento e quarenta.

Nada é mais real,
Nem a dor nem o mal,
Você nem percebe a diferença
De whisky e red bull.

Mas nada é tão bom,
Não vale a pena arriscar,
Há outras paisagens pra se ver
A menos de cento e quarenta.

Aos poucos vou reduzindo
E respirando melhor,
Porque eu sei que há
coisas pra se ver
sem que eu me perca em você,
a cento e quarenta.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Três Vivas Pro Cazuza!


Viva a alegria,viva a liberdade
Viva ao tempo gasto com os amigos,
viva as noites de festa,
Viva se cuidar,viva aos comes e bebes
Viva a vida,que é só uma,
E a juventude que não se repete.
E quando envelhecermos,
não poderemos mais viver
essas aventuras e as loucuras da nossa
Galera do Abraço.


Viva ao exagero equanto ele é bem vindo,
Enquanto o nosso espírito vibra
E tudo em nós diz que podemos tudo!
Viva ao jeito Cazuza de viver.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

The Prê


O que é isso que me dissolve diariamente.
Que me faz tão mal e me desorienta,
Que me faz lamentar uma perda ainda não sofrida?

O que é isso que me dissolve,
Que me faz doer sem estar ferida,
Que não se mostra nem cicatriza,
Que me persegue e me diz forte:
-Não progride,mas fica!

Ereshkigal



Vou-me embora pra Kur-Nu-Gia
Enamorar-me nos braços de Nergal,
Sou a rainha dos vastos caminhos
E através dos tempos-Ereshkigal!

Sou a filha de Anu,sou dona
Dos palácios e castelos infernais;
Sou a filha de Nammu,sou rainha
Sentada no trono do lar eterno.

Contem-me,servos,contai-me,Namtar
Os segredos da rainha Lilith.
Quem a fez tão venturosa de ser
A esposa de nosso Senhor das Trevas?

Nergal,como ousas subestimar
A beleza e a juventude de Ereshkigal?
Ó deus da guerra e da morte,pois
Tua sorte será curvar-se aos meus pés!

Kur-Nu-Gia,meu lar eterno,
Mande que tragam mais almas,
Mande que tragam mais servos,
Mande que se façam sacrifícios
Ao poderoso Senhor das Trevas!

Ó Namtar,traze-me notícias,
O que ocorre lá fora?Dize!
Buscai o meu melhor servo
Para que me traga o seu bem
Para que ela me dê a sua vida
Em honra ao meu grande nome:Ereshkigal!

O Louco do Beco


Em minha casa vive um monstro
Que desforra as almas e arrasa,
Um monstro de língua de fogo
Que vive e mata,em minha casa.

Nos machuca e nos oprime
A dor,que é forte e sem saída.
Não sabe amar,o monstro que nos fez,
E nossa paga é o ódio pela vida.

Sua vilania é poderosa e transforma
Os outros também em monstros;
Todos juntos numa guerra contra todos
Onde reina a dor e o trauma.

Tormento,ataque e fúria,
Mas não há quem freia,quem caça
O monstro que promove a tortura,
O louco que vive em minha casa.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Os Nove Labirintos


Eu perdi o meu colar favorito.
Eu não sei falar francês.
Ainda são seis horas?eu nem sei.
Eu passo todos os dias por nove labirintos,
E quatro deles tem cheiro de eucalipto.

Me dá o meu café,eu mal consigo
Ficar de pé nessa confusão.
Eu solto a sua mão,cinco dedos imóveis
debaixo desse teto,às seis da manhã.

O mais importante da vida está
Em aprender a viver,
se dar uma chance de amadurecer,
não desistir de tentar,buscar o seu melhor.
Tomar todo dia dois goles de adrenalina
e respirar um tanto assim de monotonia.

...Eu perdi o meu colar favorito,
e eu não sei falar francês...
Ainda eram seis horas e você me dizia:
"Je t'aime,Je t'aime".

Equilíbrio


A gente tem que ser comedido,
Não pode ser desenfreado,
Tem que conter a impulsividade
E as atitudes erradas.
A gente tem que aprender
a ser consciente:
Cada um faz o que quer,desde
que enfrente as consequências.

Quando você parar de se interessar
Apenas pelo que sente,vai estar
Preparado para novas experiências
E pra vida além do seu mundo comum.
Quando você souber se comportar e
Respeitar os limites ea vontade dos outros,
O mundo vai estar preparado pra você
E você pro mundo,e para a vida além
do seu mundinho comum.

"God Save The Queen!"



Eu já estou de saco cheio de todos
Me pedirem para ser mais atenta.
Eu não quero saber de nada além do necessário,
Eu só sei dos assuntos que me convém.
Mas todos me cobram experiência
E um pouco mais de eloquência e simpatia.

Só que eu não vou poder fingir pra sempre,
Uma hora vou ter que ser como eu sou:
Uma garota que não está nem aí
Pra puxar o saco de ninguém,
Uma simples garota que quer viver sem
comentários,e longe dessa gente ridícula
que encena papéis fajutos.

Eu quero viver num mundo melhor.
Que a arrogância morra
e os hipócritas também.
God save the queen!

Top Secret



O meu quarto é um paraíso
Onde só eu posso entrar,
Lugar de reflexão,
Pensamentos perdidos...
Lugar de encostar na parede
e chorar.

Lugar de ver a lua da janela,
Lugar de fumar escondido,
Lugar de pensar besteira
(que todo mundo pensa!)
Lugar de sonhar.

No meu quarto tem uma Tv
Onde eu vejo as coisas que eu quero,
Onde aprendo que as pessoas não passam
Quando realizam seus sonhos
E Fazem os outros sonharem também.

O que eu sei é que os jovens
não morrem nunca;
pois ainda que não mais os vejamos,
eles sempre estarão na paz de seus quartos.

Rebelde Fazendo História


Eu vim aqui para fazer uma história nova,
E giro no meu quarto,pegada atrás de pegada,
Enquanto escrevo...
Agora sei para que nasci:fiz um sentido para minha vida.

Não me arrependo de nada.
Quero fazer o que gosto:escrever,
Enquanto faço o que não quero:viver.

Um beijo para a família,
Um escarro pro passado,
E um brinde à vida!

Não deixemos nunca de ser contraditórios.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

OCTOBER



October,we know,is the month of the Halloween...
Common to every year,witches and vampires appears,
Tellin'us to choose:" Truth or Consequences"
October:the month of capitalism's jokes!
But,beyond the darkness the truth reveals in a
Extreme scream:Halloween is not about people!
Risks and spells,powers and Death:this is the true Halloween!

sábado, 8 de agosto de 2009

O SUSSURRO DO DIABO


O Diabo risca o mundo
Ele sai pichando,pintando,marcando
O seu grande nome em tudo.
O Diabo é o Pai do Mundo!

Foi-se a era dos sofismas,
Vem aí a transgressão.

O Diabo em sua luta
Ve abrindo os caminhos
Estraçalhando ossos,
Ceifando vidas,
Cumprindo o seu
ato de Senhor do Mundo.

O Diabo sabe tudo.
Enquanto você se move,
ele sussurra em seu ouvido.

Ele chama bem de leve,
Que é para ver quem vem.
E pinta e risca,e enfeita o mundo...
De repente,quando tudo é deslumbre,
Ele se mostra e nos põe em transe,
Nos dá o mundo,o agora e o futuro.

O Diabo chama.
Quem o acompanha?

A MINHA FILHA É DO CÃO!




Caderinho bonitinho
De capinha enfeitada de florzinha,
Quando ela abre-mas que susto!
Ela descobre a tabelinha!

(oh não não não!)

Uma bolsa da modinha
Enfeitada de menina poderosa,
Quando ela abre ela descobre
A camisinha!
(Meu deus que menina perigosa!)

Num casaquinho bonitinho
Escondida e comportada
A menina sai lá fora,
E o que é que a mãe vê?
A filhinha num pornô lá na tevê!

(oh não não não

A minha filha é do Cão!)

A MATADORA



Quero ser matadora
Matadora de aluguel
Dilacerando corpos
Com o poder das minhas armas.

Serei bem sutil
Ao transpor o covil
Das minhas vítimas.
E em um ou dois golpes traiçoeiros
Vou partí-las ao meio sem dó
E sem muita força na mão.

Um ou dois golpes usarei,
O segundo será por diversão
Sem compaixão e sem perdão
O julgamento faz quem me contratou.

As gotas de sangue cairão
Sem marcar o chão
Tudo na mais perfeita harmonia
Entre as facas e os punhais
Entre o serviço e a diversão
O pagamento e o dever
Entre o mover e o desferir
Golpes na contramão.

MEU PAI É HITLER!


Pai,não me jogue no lago de gelo
Não estenda a sua mão pra me bater
Pai,hoje não me coloque com os outros na câmara de gás
Pai,não me torture mais!

A minha mente já não tá legal
Mein fuhrer de terror nos olhos
Por favor,hoje não me faça mal
Meu pai é Hitler!

Quer criar a raça perfeita
Pai,seu velho idiota,
Não mande os melhores pra guerra.

Ele quer eugenia
Mas vai mandar os melhores pra guerra
Que grande ale-MERDA!

LAVAGEM CEREBRAL


Destruir o padre!Buscar e findar.
Destruir o coro!Não só encarar.
Gritar,não parar de lutar
Perder o controle pode fazer errar
Não tentar fugir:lutar,lutar!

Parar e pensar antes do começo
Mirar novo arremesso e sabotar
Destruir por dentro como câncer
Confundir,difundir,planejar.

Destruir o padre!Buscar e findar.
Destruir o coro!Não só encarar.

Viver é fácil numa ilusão
Enquanto não para de crer
Mas há algo para desvendar
Blasfemar,blasfemar!

MUDANÇAS PSÍQUICAS


Mergulhando num outro submundo
Abismo profundo,seguido de um grito
Eco,sacrifício,sabendo que a entropia virá.
Acordar,sentir que o ódio vai surgir
Atacar aquilo que confronta
Descartar o que não dá poder.

Eu sei que a hora é agora
Perseguir o meu objetivo
Extinguir a febre que te toma
Destruir quem está no poder.

Mergulhando num outro submundo
Abismo do que foi um lugar.
Ecos de seres incontidos
Apontar onde cabe conter
Nós sabemos o nosso dever
Não esperar pra obter vantagem
Persistir enquanto eu viver.

BATHORY A CONDESSA SÁDICA


Bathory,
A condessa comedora de mocinhas
Rodeada por cadáveres
Ela se banha com sangue inocente
Das virgenzinhas de Bratislava.

Quando criança ela vivia atormentada
Por doenças repentinas e temores
Enlouquecida,ela punia suas vítimas
As obrigando a andar nuas sobre a neve.

Bathory,a condessa sádica!
Bathory,a condessa sádica!

Na Eslováquia ela torturava
Reinava com seua atos depravados
Ela matava a sangue frio,
Assassina de mocinhas.

"Meus atos malignos me governam
Minha vontade é matar e estripar!"
Bathory, a condenada
Encarcerada no castelo de Cachtice,
Aprisionada por seus assassinatos,
Ela quer se soltar!

O MOTHERFUCKER


Bala perdida,tiroteio
Eu não aguento mais
Um mundo cheio de incerteza
Onde a segurança não faz.
Eliminar o elemento!
Catar o excremento!

Por que você busca tanto a paz,
Se é algo que não vai encontrar?
Penetrar os covis da esperança,
Resgatar a vida no choro da criança.
Pra quê?Se o coma é bem melhor!
Voltar,do pó ao pó,ou mudar
Saber que o choro nunca vai parar!

Bala predida,tiroteio
Ser queimado até a morte por vocês
Desiguais os direitos de capital
Capitais com direito desigual.
Eliminar o elemento!
Catar o excremento!

Não busque a paz,pois ela não vem
Derreta com ódio mortal
A grade que esconde as questões sociais,
Só é normal chorar sem parar
Se você é um motherfucker perdedor!

NIGHTMARES


Você tem esses sonhos
Nessas sombras,segredos induzidos
Onde a luz não pode penetrar
Caminhos obscuros,eles te encontram
E te levam a um novo lugar.

Pesadelos,visões,passsos pela mata
Sepulturas,tormentos e a carne exposta
Você teme,mas no fundo você gosta
Porque suspeita o que vai encontrar.

Os conflitos tomam sua mente
Confundida pelas apariçoes
Um segundo uma sombra te aborda
E você sabe que vai parar na corda!

Você vai parar na corda
Se não suportar,
Você vai se odiar
Recusar,suicidar,
rastejar nas sombras
Você sabe,cabeças vão rolar!

NATASHA EDO


Natasha Edo escrevendo nas veias
Em seu braço o sangue escorria
Não me mate,sua alma lhe dizia
Mas o manto sagrado estava negro.

Natasha Edo sentada no chão do banheiro
Escrevia palavras que não sabia
Não entendia como o seu sentimento
Penetrava tão fundo sobre a carne.

Natasha Edo,seu nome lhe diz tudo
A navalha e o sangue pelo chão
Ela sorvia o rubro envenenado
Enquanto Algo encobria sua visão.

Natasha Edo,não se complique
Não implore por um pouco de atenção
Natasha Edo,faça sua escolha
Natasha Edo,não vá morrer em vão!

PARASITAS DO PRESIDENTE


Parasitas almejando a luz
Ao sarcófago ele os conduz
Rebanho doente de fome,de guerra,
Capitalismo em mente,alienação.

Parasitas almejando a luz
Conquistando uma nova nação
Perseguir,prender,ao vazio remeter
Os sinais de estruturação.

Morte,miséria,segregação
Injustiça,engano,muita armação
Políticos cagando e os civis comendo
A polícia correndo com medo do ladrão.

Brasileiros almejando a luz
Ao deslize ele nos conduz
À deriva o barco de esqueletos,
Nosso dinheiro virando palacete
Ou sendo usado em viagem de avião.

Filhos da puta comendo caviar
Enquanto os pobres não têm o que comer
No luxo,no carro,eles vão passear
Sorrindo,e os nossos querem sobreviver!

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Álvares de Azevedo

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Anne Frank

Homenagem:Cazuza

Twilight

New Moon

Eclipse

Breaking DowN